Início / Reviews / American Horror Story: Coven – S03E01 Bitchcraft

American Horror Story: Coven – S03E01 Bitchcraft

American Horror Story: Coven – S03E01 Bitchcraft voltou, e não deve nada as temporadas anteriores, com uma fórmula perfeita: personagens com potenciais problemas a serem trabalhados, uma trama principal interessante e curiosa, enfim cheia de criatividade e ao mesmo tempo com o horror clássico americano. As series de American Horror Story, conseguem trabalhar bem essas estórias …

Visão crítica

Direção - 9.2
Fotografia - 9.5
Roteiro - 8.8
Atuação - 8.5
Emoção - 9

9

NOTA

Resumo: American Horror Story: Coven, conta a secreta história de bruxas e bruxaria na América.

User Rating: 4.75 ( 1 votes)
9

American Horror Story: Coven – S03E01 Bitchcraft voltou, e não deve nada as temporadas anteriores, com uma fórmula perfeita: personagens com potenciais problemas a serem trabalhados, uma trama principal interessante e curiosa, enfim cheia de criatividade e ao mesmo tempo com o horror clássico americano.

As series de American Horror Story, conseguem trabalhar bem essas estórias clichés, do horror americano, mas de um modo criativo e interessante, e com quase todos os mesmo personagem das temporadas passadas, que ao passar do tempo, acabam ganhando sua personalidade exclusiva.

A parte inicial começa em 1834 e nos apresenta a  racista e sádica Madame LaLaurie (Kathy Bates) que usa uma espécie de “creme monage” feito pâncreas humano. Ao descobrir que a filha mais nova rejeita os melhores pretendentes para dormir com um escravo, ela o leva até o seu porão macabro onde tortura seus escravos, e monta uma versão sinistra de minotauro, como se estivera realizando seu sonho de criança.

Logo após, há um salto para o futuro ou presente, ou sei lá, para nos conhecermos Zoe (Taissa Farmiga), que em sua primeira vez com seu namorado, descobre que tem uma “vagina assassina”, e acaba matando seu namorado e revelando que ela herda esse gene de bruxa como a sua bisavó, então ela é enviada para escola hogwarts uma escola dirigida por Cordelia Foxx (Sarah Paulson), onde jovens bruxas aprendem a controlar suas habilidades.

Suas coleguinhas de turma são Madison (Emma Roberts ), uma estrela de cinema com habilidade para mover objetos, Queenie (Gabourey Sidibe), uma boneca de voodoo humana, e Nan (Jamie Brewer), que possui uma audição muito mais apurada do que o normal.

Após, há uma cena a parte que nos mostra Misty Day (Lily Rabe), que descobre que tem um poder de reavivamento de animais ressurreição, mas não está na escola, e acaba sendo queimada viva.

Jessica Lange, como sempre é um destaque no American Horror Story, e nos mostrou Fiona, uma bruxa suprema, uma espécie de bruxa rara com todos os poderes da bruxaria, que busca sua eterna juventude seja, por magia como pela ciência, mesmo que custe a morte de alguns.

Após, Zoe e Madison vão há uma festa de faculdade, onde Madison acaba sendo estuprada após tomar um “boa noite Cinderela”, e onde Zoe acaba conhecendo um futuro namoradinho (Déja vu de Tate e Violet), que tenta ajudar, mas acaba sofrendo um acidente, pois estava dentro do ônibus onde tentava recuperar a gravação do estrupro, quando Madison com raiva usa seus poderes para capotar o ônibus.

No outro dia, Zoe vai no hosiptal para ver se seu namoradinho sobreviveu do acidente, mas descobre que somente o estuprador ficou vivo, e com raiva acaba estuprando o estuprador WTF, e assim matando com sua “vagina assassina”.

Retornando ao passado é mostrado a vingança de uma parente do escravo morto, sobre a Madame LaLaurie.

Retornando a escola de hogwarts Fiona os leva para um passeio, a casa essa onde Madame LaLaurie é morta e enterrada, e usando os poderes de Nan descobre onde ela está enterrada, após desenterrarem a Madame LaLaurie, ela se encontrava viva.

Tenho bastante expectativa em relação a essa temporada por mais teen que ela pareça, as cenas estão muito bem construídas, e o trama muito bem amarrado, cheio de suspense, horror e com umas “macumbinhas daora” de New Orleans.

Sobre Rodrigo Jacques

Alguns dizem que sou Narcisista, mas na verdade não sou... Até me identifico com um personagem Grego, mas não o Narciso e sim Zeus.